Arquivo do mês: junho 2009

Ferramentas de Coaching – Avaliação 360°

Avaliação 360 Graus é uma importante ferramenta de Gestão de Pessoas que corresponde a uma análise sistemática do desempenho do profissional em função das atividades que realiza, das metas estabelecidas, dos resultados alcançados e do seu potencial de desenvolvimento.

O objetivo final da Avaliação 360 Graus é contribuir para o desenvolvimento das pessoas na organização.

O resultado final da Avaliação 360 Graus deve apresentar as informações necessárias para a identificação de oportunidades de melhoria e a elaboração de um plano de ações em relação a vários níveis – geral da organização, por área e individual.

Anúncios

Parábola do Carpinteiro – Motivação

Um video motivacional muito bom, vale a pena ser visto:

Você pode se tornar uma pessoa muito melhor do que já é. Conheça as técnicas utilizadas nos países mais desenvolvidos, aprenda como conhecer melhor a si mesmo. Entre em contato e agende uma session-test sem custo, e conheça o fantástico mundo do Coaching. Deixe um comentário ou envie um e-mail para douglas.coach@gmail.com com sua dúvida que estaremos respondendo prontamente.

Video Motivacional – O Poder da Visão

Um outro video Motivacional muito bom, feito por um grupo de alunos.

Você pode se tornar uma pessoa muito melhor do que já é. Conheça as técnicas utilizadas nos países mais desenvolvidos, aprenda como conhecer melhor a si mesmo. Entre em contato e agende uma session-test sem custo, e conheça o fantástico mundo do Coaching. Deixe um comentário ou envie um e-mail para douglas.coach@gmail.com com sua dúvida que estaremos respondendo prontamente.

O Poder da Visão – Mudança de Vida

Um video muito bom sobre a importância da Mudança de vida, mostrando como podemos ter uma vida melhor, através de mensagens simples. É um pouco longo, mas vale muito a pena ver.

Através do Coaching você pode mudar sua vida, em pouco tempo, de forma permanete, encontrar sua missão de vida, encontrar as razões para fazer o que gosta de uma forma cada vez melhor. Entre em contato através de comentários ou mande um e-mail para douglas.coach@gmail.com e descubra uma nova fase em sua vida, uma fase em que você pode controlar e caminhar com seus próprios pés, alcançar seus objetivos e fazer de sua vida algo que realmente valha a pena de se viver, e não apenas mais uma vida que passa pelo mundo. Faça a diferença para você mesmo, conheça esta técnica e seja uma pessoa melhor…

Estratégias para o Sucesso Pessoal…

A imaginação é uma arma muito poderosa. Por meio dela podemos erguer muralhas intransponíveis ou construir as ferramentas necessárias para derrubá-las.
Se você quiser superar os seus limites, siga estas dicas e crescerá diante de cada meta que tentar conquistar.
Passos
1
Apóie-se nas suas qualidades para conseguir o que quer. Uma visão positiva de si mesmo é a melhor condição para superar os impedimentos que você se impõe.
2
Amplie os seus conhecimentos e desenvolva as suas habilidades. Sempre haverá situações novas com as quais aprender. Você poderá fazer isso durante a vida toda.
3
Adote uma postura dinâmica, que valorize a mudança e que possa transformar aquilo que você observa. Não aposte no estático, no imutável, pois a vida está em constante transformação.
4
Procure desafios que você considera possíveis de enfrentar, mas que, ao mesmo tempo, exijam certo esforço. Assim você se manterá com uma “energia positiva”, que se realimentará a cada objetivo atingido.
5
Nunca diga “eu não consigo”. Comece relativizando tudo o que parecer impossível no primeiro momento e mentalmente se repita “eu não posso por enquanto agora”. E comece a se preparar para mudar o jogo futuro.
6
Faça todos os dias alguma coisa, por menor que seja, para melhorar as suas possibilidades.
7
Pense com ousadia e sem preconceitos. Crie o mundo que você deseja na sua mente. O sucesso precisa nascer primeiro na sua imaginação.
8
Fortaleça os seus melhores desejos. Pense positivo. Deixe de lado a crítica inútil e o pessimismo.
9
Fortaleça a autocrítica positiva, perguntando-se a partir de uma abordagem otimista: o que eu ganhei, o que eu aprendi, o que eu somei, do que eu me livrei.
Importante
Você pode apostar em uma mudança brusca e radical, confiando na sorte. Ou apostar na transformação gradual e sustentada, em que você não depende da sorte, mas sim da sua determinação para conquistar o que deseja. Está nas suas mãos escolher o caminho que achar melhor.

A imaginação é uma arma muito poderosa. Por meio dela podemos erguer muralhas intransponíveis ou construir as ferramentas necessárias para derrubá-las.

Se você quiser superar os seus limites, siga estas dicas e crescerá diante de cada meta que tentar conquistar.

  • Apóie-se nas suas qualidades para conseguir o que quer. Uma visão positiva de si mesmo é a melhor condição para superar os impedimentos que você se impõe.
  • Amplie os seus conhecimentos e desenvolva as suas habilidades. Sempre haverá situações novas com as quais aprender. Você poderá fazer isso durante a vida toda.
  • Adote uma postura dinâmica, que valorize a mudança e que possa transformar aquilo que você observa. Não aposte no estático, no imutável, pois a vida está em constante transformação.
  • Procure desafios que você considera possíveis de enfrentar, mas que, ao mesmo tempo, exijam certo esforço. Assim você se manterá com uma “energia positiva”, que se realimentará a cada objetivo atingido.
  • Nunca diga “eu não consigo”. Comece relativizando tudo o que parecer impossível no primeiro momento e mentalmente se repita “eu não posso por enquanto agora”. E comece a se preparar para mudar o jogo futuro.
  • Faça todos os dias alguma coisa, por menor que seja, para melhorar as suas possibilidades.
  • Pense com ousadia e sem preconceitos. Crie o mundo que você deseja na sua mente. O sucesso precisa nascer primeiro na sua imaginação.
  • Fortaleça os seus melhores desejos. Pense positivo. Deixe de lado a crítica inútil e o pessimismo.
  • Fortaleça a autocrítica positiva, perguntando-se a partir de uma abordagem otimista: o que eu ganhei, o que eu aprendi, o que eu somei, do que eu me livrei.

Importante

Você pode apostar em uma mudança brusca e radical, confiando na sorte. Ou apostar na transformação gradual e sustentada, em que você não depende da sorte, mas sim da sua determinação para conquistar o que deseja. Está nas suas mãos escolher o caminho que achar melhor.

Dicas de como mudar sua Rotina Pessoal

Se a rotina está acabando com você e os seus dias estão sem graça, tome a iniciativa de começar pequenos projetos para mudar o seu estado de ânimo.
Passos
1
Não fique parado, jogado no sofá.
Movimente-se, e o seu astral mudará rapidamente.
Saia para dar um passeio revigorante em um lugar agradável.
Ouça música e dance com entusiasmo.
Ande de bicicleta. Os exercícios físicos geram uma sensação de bem-estar imediata. No começo você terá pouca disposição e se sentirá fazendo algo por obrigação. Mas continue e você se sentirá melhor.
2
Faça alguma coisa prazerosa que você não faz há muito tempo.
As atividades prazerosas e não rotineiras geram sensações positivas e alegria.
3
Experimente fazer atividades que você nunca fez antes.
Descobrir novas brincadeiras costuma ser muito estimulante. Você redescobrirá o prazer de aprender brincando e incorporará novos hábitos.
4
Manifeste a sua criatividade e invente algo só por diversão.
Pintar com as mãos, desenhar mesmo que sejam rabiscos, modelar com argila ou massinha, reproduzir paisagens, cenas ou rostos são expressões artísticas que permitirão reencontrar a sua criatividade.
5
Dedique-se aos outros e isso vai mudar o seu dia. Ligue para algum amigo de quem você não tem tido notícias. Você resgatará o clima positivo das experiências vividas e com certeza deixará seu amigo contente com a sua iniciativa.

Se a rotina está acabando com você e os seus dias estão sem graça, tome a iniciativa de começar pequenos projetos para mudar o seu estado de ânimo.

  1. Não fique parado, jogado no sofá. Movimente-se, e o seu astral mudará rapidamente. Saia para dar um passeio revigorante em um lugar agradável. Ouça música e dance com entusiasmo. Ande de bicicleta. Os exercícios físicos geram uma sensação de bem-estar imediata. No começo você terá pouca disposição e se sentirá fazendo algo por obrigação. Mas continue e você se sentirá melhor.
  2. Faça alguma coisa prazerosa que você não faz há muito tempo. As atividades prazerosas e não rotineiras geram sensações positivas e alegria.
  3. Experimente fazer atividades que você nunca fez antes. Descobrir novas brincadeiras costuma ser muito estimulante. Você redescobrirá o prazer de aprender brincando e incorporará novos hábitos.
  4. Manifeste a sua criatividade e invente algo só por diversão. Pintar com as mãos, desenhar mesmo que sejam rabiscos, modelar com argila ou massinha, reproduzir paisagens, cenas ou rostos são expressões artísticas que permitirão reencontrar a sua criatividade.
  5. Dedique-se aos outros e isso vai mudar o seu dia. Ligue para algum amigo de quem você não tem tido notícias. Você resgatará o clima positivo das experiências vividas e com certeza deixará seu amigo contente com a sua iniciativa.

Ferramentas de Coaching – Ensaio Mental

mentalVocê já deve ter escutado a expressão: “o ser humano não usa nem 10% de seu cérebro”. Ainda hoje alguns desavisados falam sobre, como se isso fosse verdade. Nós usamos todo o nosso cérebro. O que ainda não aprendemos é usar todo o potencial armazenado no cérebro, isso significa que o ser humano usa pouco de suas reservas cerebrais. Nos anos 50, Dr. Paul Maclean, chefe da Brain Evolution For The National Institute Of Mental Health, criador do conceito do Cérebro Triuno (três em um), descreveu que o nosso cérebro é composto por três sistemas, cada um funcionando com características diferentes: Sistema Reptiliano (tronco cerebral, onde acontecem os padrões automáticos e rotinas ligadas à sobrevivência), Sistema Límbico (situado entre o tronco cerebral e os hemisférios, onde as emoções são originadas), e Neocórtex (dividido em hemisfério direito e hemisfério esquerdo). Neste artigo vou enfatizar a importância do sistema límbico para mobilização do nosso potencial interior. O sistema límbico é o “vulcão das emoções”. É o centro da busca pelo prazer e pelo afastamento da “dor”. O que sabemos é que o sistema límbico reage aquilo que é real e imaginário. Ele responde aos estímulos, independente de ser verdadeiro ou imaginário/fictício. Ao dar as respostas aos estímulos, o sistema límbico mobiliza o sistema endócrino glandular – o arsenal químico do organismo, e assim uma série de respostas fisiológicas, e portanto, emoções. Analise o exemplo: Você está num cinema de ultima geração, assistindo um filme de terror, daqueles que prende você do início ao fim do filme. De repente o assassino corta o pescoço de uma jovem. Você vê a cena e salta da poltrona, seu coração pula e você muda sua fisiologia. Perceba que o seu cérebro racional sabe que aquilo é um filme, que aqueles são efeitos especiais. Mas porque reagimos a esta situação dessa forma? Porque o sistema límbico não faz esta distinção, se é real, ou imaginário ele responde. Sabendo disso, nós podemos usar as imagens mentais para mobilizar nosso potencial, ou seja, podemos estimular nosso sistema endócrino glandular para que as emoções nos ajudem a direcionar a nossa atenção e o nosso comportamento aos nossos desejos/objetivos. A imagem eidética, composta por cores, brilho, tamanho, sons e sensações, estimula o sistema límbico. Por esta razão é extremamente importante exercitar constantemente a auto-imagem. Criar uma auto-imagem positiva de si mesmo é potencializar-se para vencer, porque isso reforça a auto-estima, permitindo uma maior confiança para encarar os desafios na vida. Por esse motivo, também é fundamental formular objetivos específicos em nossa vida e colocar o filme completo da conquista do objetivo na tela mental, e repetir constantemente. Todas as nossas células serão programadas conforme a informação fixada pela imagem no sistema límbico. Faça isso. Exercite a imagem mental constituída pelos resultados positivos que você deseja obter. Lembre-se que ao fazer este exercício, o cérebro não distinguirá entre uma imagem real percebida pelos sentidos e outras produzidas imaginariamente, sendo que, de qualquer forma serão produzidos os efeitos como se fossem reais. Existem duas regras importantes: 1 – ter o objetivo e o desejo verdadeiro para fixar na tela mental. 2- repetir várias vezes a visualização. Quanto mais você reforçar a imagem mental, mais emotizado ficará seu objetivo. As chances de conquista aumentarão muito.

Ferramentas de Coaching – Swot Pessoal

forca

Em planejamento estratégico, a análise SWOT (Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats, em português – Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças) é uma maneira bastante eficiente de identificar os pontos fortes e fracos de uma organização, bem como examinar as oportunidades e as ameaças que poderão ser enfrentadas no mercado de atuação. Como resultado dessa análise, temos um relatório que contém informações a respeito de fatores internos da empresa (strengths and weaknesses, forças e fraquezas) e sobre fatores externos (opportunities and threats, oportunidades e ameaças). Mas, e se usarmos essa ferramenta em benefício próprio? Como poderia ser uma “análise SWOT pessoal”

Vamos já pensar em uma, já que, de acordo com o guru do Marketing, Philip Kotler, não existe produto maduro sem oportunidades, mas gerentes sem imaginação, podemos aproveitar a idéia e dizer que não existe um profissional sem oportunidades, mas sim a falta de visão na carreira.

Levando em consideração que cada um é responsável por sua própria carreira e que quando a mesma é bem administrada a sensação de autonomia é maior, é preciso saber a hora de nos atualizarmos e nos capacitarmos para as mudanças que sempre acontecem, onde quer que estejamos. É preciso ter autoconfiança, independentemente do porte da organização na qual nos encontramos, para saber onde estamos e onde, afinal, queremos chegar dentro de algum tempo, levando em conta determinadas forças macroambientais(econômicas, socioculturais, tecnológicas, mercadológicas) e agentes microambientais, em nível individual (formação, experiência, conhecimentos, capacidade de aprender, personalidade, aspectos financeiros). Claro, se a vida é de cada um, o mesmo pode-se dizer da carreira profissional em tempos de pensamentos, idéias e inspirações globalizados.

Para facilitar a analogia, é proveitoso saber que o objetivo da “análise SWOT”, dentro do planejamento estratégico, é apresentar um panorama completo não apenas de seu próprio negócio, mas também dos concorrentes e do ambiente de negócios em que se pretende entrar ou no qual já se atue. Este snapshottirado do ambiente de negócio como um todo, uma visão do terreno onde se encontra a empresa, serve de apoio para que as fraquezas da mesma sejam minimizadas e os pontos fortes, maximizados, melhor aproveitados, através de uma estratégia que contemple, ao mesmo tempo, as oportunidades do mercado e o que de melhor a empresa poderá fazer para aproveitá-las, sejam os pontos fracos de outros atores ou mesmo as brechas deixadas por esses. De igual forma, uma “análise SWOT pessoal” poderá mostrar um panorama de nossas qualificações e do momento profissional que atravessamos, com os mesmos pontos fortes e fracos. Logo, a partir dessas informações, descobriremos quais competências e conhecimentos temos que permitirão desbravar novos rumos na carreira e, por outro lado, quais competências e conhecimentos são necessários desenvolver para atender ou acompanhar as mudanças atuais.

Portanto, as questões levantadas por uma “análise SWOT” para a vida profissional seriam as seguintes:

Strengths/Forças:

Perceba: quais são as suas vantagens como profissional? O que você faz de melhor? O que o mercado, sua empresa e seus colegas percebem como sua maior força? Qual o seu grau de esclarecimento e informação sobre o mundo ao redor? Veja o que o leva a ter maior distanciamento de seus concorrentes no mercado de trabalho.

Weaknesses/Fraquezas:

Identifique as áreas em que haja maior conflito: em que aspectos você pode melhorar? Que tipo de tarefa ou atribuição você ainda não faz satisfatoriamente? O que deve ser evitado? Existem queixas de seu superior direto? O que ainda não foi cumprido por você? O que ainda não está sendo entendido por você em sua área de atuação?

Opportunities/Oportunidades:

Esforce-se para descobrir na sua área de competência as forças que possui e que não estão sendo bem utilizadas: existe alguma tendência do mercado que pode ser vista como o “pulo do gato” para você? Existe alguma área correlata à sua na qual pode investir e prestar um bom serviço ou oferecer um bom trabalho, mas nunca esteve antes? Quais as verdadeiras oportunidades à mostra no mercado de trabalho atual? Analise a situação e pense. Leia e estude muito. Atualize-se. Mantenha contato com seus colegas próximos e com aqueles que formam seu networking.

Threats/Ameaças:

Visualize o mundo exterior e seja também um pouco introspectivo para entender o que pode ser prejudicial à sua carreira. Que obstáculos existem pela frente? O que os demais profissionais, competidores como você, estão fazendo? Alguma nova tecnologia tem a ver com seu trabalho atual? As competências necessárias para sua área de atuação estão sendo alteradas? Você passa por problemas financeiros, de desenvolvimento ou algum outro não identificado? Você sente que, de forma geral, os demais profissionais, seus concorrentes no mercado, estão se fortalecendo ou existem outros fatores que podem impedir o seu sucesso na carreira?

Então, respondendo com consciência e uma certa abstração a essas perguntas, analisando nosso momento pessoal e profissional, podemos traçar o perfil que desejamos para nossa carreira e definir que rumos tomar a partir daí. Pode ser que já o façamos de outras maneiras, sem que se queira chamar de “SWOT” tal exercício, mas há que se ter em mente duas palavras quando tratamos de carreira: reflexão e planejamento. Duas simples palavras e uma mesma forma de encontrar um caminho.

Fonte: RH.com.br

Coaching – Matéria no Reporter Diário

Líder ou treinador? A resposta: ambos!
* Francisco Reisner
Na atual situação competitiva os colaboradores das empresas precisam ter suas habilidades desenvolvidas ao máximo. O diferencial das corporações depende cada vez mais de quão bem treinando e motivado está cada membro da equipe. O treinamento tradicional é uma ótima ferramenta para apresentar conceitos e dar início ao aprendizado porém, é função do líder dar continuidade, manter a equipe energizada e reter as pessoas que possuem talento. É aí que entra uma técnica muito simples e eficiente, chamada coaching.
O coaching é confundido com uma técnica muito cara de treinamento e, por isto, tem sido aplicado com freqüência aos níveis hierárquicos superiores. Esta visão tem origem na pressuposição da necessidade de um treinador muito especializado e com dedicação exclusiva a um ou a poucos treinandos. No entanto, novas técnicas jogaram fora o fator custo elevado permitindo que o coaching fosse popularizado entre o pessoal de nível mais baixo. A solução reside em dar ao supervisor (ou ao líder da equipe) a capacitação necessária para fazer o coaching. O supervisor além de possuir experiência funcional, também dedica todo o seu tempo na condução da operação. Portanto, ele é um candidato natural ao papel de coach (treinador). Desenvolver esta nova capacitação é simples, basta aprimorar a qualidade na realização de algumas tarefas já corriqueiras do seu cargo, como a monitoração, por exemplo. O que deve ser ensinado é como realizar estas tarefas de maneira estruturada e continua. Desta forma, os custos do treinamento continuo são minimizados. O coaching tem como efeito colateral o aprimoramento da liderança dos supervisores por colocá-los mais envolvidos na formação dos colaboradores e torná-los cúmplices dos seus liderados no alcance de metas.
A formação do supervisor como coach deve levar em conta que sua atividade é desenvolvida em uma empresa. Isto irá causar a criação de um ambiente orientado para o aumento da produtividade na operação. Ao assumir o papel de coach, o supervisor deve ser capaz de executar algumas tarefas específicas tais como: monitorar somente os aspectos que interferem nos resultados, analisar efetivamente os resultados obtidos nas ações executadas, realizar um feedback que realmente colabore nas mudanças comportamentais, implementar ações efetivas de incentivo ao desenvolvimento pessoal do colaborador e realizar uma negociação efetiva que resulte em ganhos concretos aos envolvidos.
Está aí lançado o desafio: tornar cada líder e supervisor em um multiplicador de conhecimento e, principalmente, em um perseguidor de metas mais eficiente através do coaching.
Francisco Reisner é diretor da Reisner Desenvolvimentos Estratégicos

Líder ou treinador? A resposta: ambos!

Na atual situação competitiva os colaboradores das empresas precisam ter suas habilidades desenvolvidas ao máximo. O diferencial das corporações depende cada vez mais de quão bem treinando e motivado está cada membro da equipe. O treinamento tradicional é uma ótima ferramenta para apresentar conceitos e dar início ao aprendizado porém, é função do líder dar continuidade, manter a equipe energizada e reter as pessoas que possuem talento. É aí que entra uma técnica muito simples e eficiente, chamada coaching.

O coaching é confundido com uma técnica muito cara de treinamento e, por isto, tem sido aplicado com freqüência aos níveis hierárquicos superiores. Esta visão tem origem na pressuposição da necessidade de um treinador muito especializado e com dedicação exclusiva a um ou a poucos treinandos. No entanto, novas técnicas jogaram fora o fator custo elevado permitindo que o coaching fosse popularizado entre o pessoal de nível mais baixo. A solução reside em dar ao supervisor (ou ao líder da equipe) a capacitação necessária para fazer o coaching. O supervisor além de possuir experiência funcional, também dedica todo o seu tempo na condução da operação. Portanto, ele é um candidato natural ao papel de coach (treinador). Desenvolver esta nova capacitação é simples, basta aprimorar a qualidade na realização de algumas tarefas já corriqueiras do seu cargo, como a monitoração, por exemplo. O que deve ser ensinado é como realizar estas tarefas de maneira estruturada e continua. Desta forma, os custos do treinamento continuo são minimizados. O coaching tem como efeito colateral o aprimoramento da liderança dos supervisores por colocá-los mais envolvidos na formação dos colaboradores e torná-los cúmplices dos seus liderados no alcance de metas.

A formação do supervisor como coach deve levar em conta que sua atividade é desenvolvida em uma empresa. Isto irá causar a criação de um ambiente orientado para o aumento da produtividade na operação. Ao assumir o papel de coach, o supervisor deve ser capaz de executar algumas tarefas específicas tais como: monitorar somente os aspectos que interferem nos resultados, analisar efetivamente os resultados obtidos nas ações executadas, realizar um feedback que realmente colabore nas mudanças comportamentais, implementar ações efetivas de incentivo ao desenvolvimento pessoal do colaborador e realizar uma negociação efetiva que resulte em ganhos concretos aos envolvidos.

Está aí lançado o desafio: tornar cada líder e supervisor em um multiplicador de conhecimento e, principalmente, em um perseguidor de metas mais eficiente através do coaching.

Francisco Reisner é diretor da Reisner Desenvolvimentos Estratégicos

Ferramentas de Coaching – Análise Swot

A Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico de uma corporação ou empresa, mas podendo, devido a sua simplicidade, ser utilizada para qualquer tipo de análise de cenário, desde a criação de um blog à gestão de uma multinacional.
A Análise SWOT é um sistema simples para posicionar ou verificar a posição estratégica da empresa no ambiente em questão. A técnica é creditada a Albert Humphrey, que liderou um projeto de pesquisa na Universidade de Stanford nas décadas de 1960 e 1970, usando dados da revista Fortune das 500 maiores corporações.
O termo SWOT é uma sigla oriunda do idioma inglês, e é um acrónimo de Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats).
Não há registros precisos sobre a origem desse tipo de análise, segundo HINDLE & LAWRENCE (1994) a análise SWOT foi criada por dois professores da Harvard Business School: Kenneth Andrews e Roland Christensen. Por outro lado, TARAPANOFF (2001:209) indica que a idéia da análise SWOT já era utilizada há mais de três mil anos quando cita em uma epígrafe um conselho de Sun Tzu: “Concentre-se nos pontos fortes, reconheça as fraquezas, agarre as oportunidades e proteja-se contra as ameaças ” (SUN TZU, 500 a.C.) Apesar de bastante divulgada e citada por autores, é difícil encontrar uma literatura que aborde diretamente esse tema.
Análise SWOT
Estas análise de cenário se divide em ambiente interno (Forças e Fraquezas) e ambiente externo (Oportunidades e Ameaças).
As forças e fraquezas são determinadas pela posição atual e se relacionam, quase sempre, a fatores internos. Já as oportunidades e ameaças são antecipações do futuro e estão relacionadas a fatores externos.
O ambiente interno pode ser controlado pelo individuo, uma vez que ele é resultado das estratégias de atuação definidas por ele mesmo. Desta forma, durante a análise, quando for percebido um ponto forte, ele deve ser ressaltado ao máximo; e quando for percebido um ponto fraco, o individuo deve agir para controlá-lo ou, pelo menos, minimizar seu efeito.
Já o ambiente externo está totalmente fora do controle. Mas, apesar de não poder controlá-lo, o individuo deve conhecê-lo e monitorá-lo com freqüência, de forma a aproveitar as oportunidades e evitar as ameaças. Evitar ameaças nem sempre é possível, no entanto pode-se fazer um planejamento para enfrentá-las, minimizando seus efeitos. A Matriz SWOT deve ser utilizada entre o diagnóstico e a formulação estratégica propriamente dita.
swotA Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico de uma corporação ou empresa, mas podendo, devido a sua simplicidade, ser utilizada para qualquer tipo de análise de cenário, desde a criação de um blog à gestão de uma multinacional.
A Análise SWOT é um sistema simples para posicionar ou verificar a posição estratégica da empresa no ambiente em questão. A técnica é creditada a Albert Humphrey, que liderou um projeto de pesquisa na Universidade de Stanford nas décadas de 1960 e 1970, usando dados da revista Fortune das 500 maiores corporações.
O termo SWOT é uma sigla oriunda do idioma inglês, e é um acrónimo de Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats).
Não há registros precisos sobre a origem desse tipo de análise, segundo HINDLE & LAWRENCE (1994) a análise SWOT foi criada por dois professores da Harvard Business School: Kenneth Andrews e Roland Christensen. Por outro lado, TARAPANOFF (2001:209) indica que a idéia da análise SWOT já era utilizada há mais de três mil anos quando cita em uma epígrafe um conselho de Sun Tzu: “Concentre-se nos pontos fortes, reconheça as fraquezas, agarre as oportunidades e proteja-se contra as ameaças ” (SUN TZU, 500 a.C.) Apesar de bastante divulgada e citada por autores, é difícil encontrar uma literatura que aborde diretamente esse tema.
Análise SWOT
Estas análise de cenário se divide em ambiente interno (Forças e Fraquezas) e ambiente externo (Oportunidades e Ameaças).
As forças e fraquezas são determinadas pela posição atual e se relacionam, quase sempre, a fatores internos. Já as oportunidades e ameaças são antecipações do futuro e estão relacionadas a fatores externos.
O ambiente interno pode ser controlado pelo individuo, uma vez que ele é resultado das estratégias de atuação definidas por ele mesmo. Desta forma, durante a análise, quando for percebido um ponto forte, ele deve ser ressaltado ao máximo; e quando for percebido um ponto fraco, o individuo deve agir para controlá-lo ou, pelo menos, minimizar seu efeito.
Já o ambiente externo está totalmente fora do controle. Mas, apesar de não poder controlá-lo, o individuo deve conhecê-lo e monitorá-lo com freqüência, de forma a aproveitar as oportunidades e evitar as ameaças. Evitar ameaças nem sempre é possível, no entanto pode-se fazer um planejamento para enfrentá-las, minimizando seus efeitos. A Matriz SWOT deve ser utilizada entre o diagnóstico e a formulação estratégica propriamente dita.
Com o acompanhamento de um Coaching, é possivel solucionar muitos problemas e dificuldades diários se utilizando desta ferramenta. Para maiores informações, entrem em contato através dos comentários, ou pelo e-mail: douglas.coach@gmail.com.