A Importância do Coaching…


Existe uma antiga fábula publicada no livro A Águia e a Galinha, que fora escrito pelo Teólogo Leonardo Boff, que narra a historinha de um naturalista que após inúmeras tentativas, consegue fazer com que uma águia descubra sua real capacidade de realizações, pois antes disso, a mesma desconhecia totalmente essas capacidades, devido ter sido criada desde filhote na condição de galinha por um fazendeiro, então ela sempre acreditou e agiu como tal, ou seja, em sua mente e em seu contexto ela só sabia ser galinha, portanto, não voava, não caçava e sempre viveu dentro de um galinheiro ciscando e comendo milho.

Esse exemplo ilustra com bastante simplicidade, a capacidade de facilitar a evolução de um indivíduo, para que o mesmo consiga desenvolver e alcançar suas metas de resultados (individuais ou numa equipe). E essa capacidade de facilitação, é uma característica vital para os líderes dentro das organizações que almejam estar no estado descrito por Peter Senge como “A empresa que aprende”.

Porém conforme mostra a fábula da Águia e a Galinha, fazer com que as pessoas descubram seus potenciais, pode ser enormemente difícil e desafiador, pois a grande maioria de nós está condicionada pela sociedade apenas para ter resultados medianos e fazer apenas coisas específicas de seus mundinhos, fazendo com que muitas vezes, sejamos verdadeiros “imbecis especializados” conforme narra Domenico De Masi em seu livro o Ócio Criativo.

Essa facilitação da autodescoberta de potenciais é o cerne que sustenta as atividades de uma figura muito comum atualmente: O Coach, que muitas vezes é lembrado como um técnico ou treinador de alguma equipe, porém, comumente as pessoas desconhecem o real significado de ser um Coach para um time ou para um indivíduo.

Portanto, é crucial lembrar que a palavra Coach, devido a sua etimologia, significa algo como: “Veículo (meio) para o transporte de pessoas”, ou seja, por natureza, um Coach é o meio que facilita as pessoas a alcançarem seus objetivos.

Claro que existe atualmente, uma gama de técnicas e mantras organizacionais para desenvolver nossa habilidade para a facilitação ou Coach em nossas organizações e para ilustrar isso, cito abaixo algumas dessas habilidades e técnicas primordiais para um bom Coach:

  • Fazer o estímulo e manutenção da confiança;
  • Disseminar o compartilhamento de idéias através da cooptação ao ecossistema em questão;
  • Aplicação de técnicas para facilitar a comunicação, principalmente almejando a remoção dos ruídos nos diferentes canais nas organizações;
  • Promover o estado de aprendizado contínuo nas pessoas (inclusive em você mesmo!)
  • Estimular a melhoria contínua nos indivíduos recebedores e fornecedores do Coach;
  • Desenvolver o comprometimento com as metas em todos os indivíduos do grupo;
  • Ter capacidade para escalar resultados através da formação de multiplicadores do Coaching, ou seja, o famoso Coaching dos Coaches;
  • Identificar e ter meios que facilitem a remoção de impedimentos e conflitos;
  • Manter o constante feedback de resultados em todos os níveis de necessidade;
  • Criar quando necessário, o espírito de auto-organização nas equipes;
  • Fomentar a constante motivação do grupo;
  • Reconhecer e desconstruir os mecanismos de defesas em quem recebe o Coach;
  • Ter meios (técnicos, cognitivos, ou lúdicos) para alavancar os conhecimentos e experiências;

Porém, acima de todas essas habilidades supracitadas, algumas experiências positivas dentro das organizações, me fazem acreditar que todos nós temos a capacidade de sermos ótimos Coaches, pois pela a natureza humana e pela própria necessidade de evolução da nossa espécie, obrigatoriamente exercitamos a ato de receber ou fornecer Coach. Por exemplo: Sabia que o primeiro Coach que você recebeu em sua vida, foi feito pelos seus pais? Pois eles de maneira mais paciente possível, lhe mostraram e incentivaram a descobrir que você podia aprender a andar, falar, pensar, crescer, etc.

E sabe o que é melhor disso, você um dia também fornecerá (ou já forneceu) esse Coach para alguém, ou seja, todos nós temos a capacidade natural de ser Coach/Facilitador, só precisamos exercitar e desenvolvê-la noutras áreas de nossas vidas, por exemplo: em nossas organizações, dentro de nossas equipes ou dentro de nossos projetos. Portanto, espero que esse breve texto, lhe ajude a visualizar essa sua capacidade e lhe estimule a aplicá-la também em suas relações de trabalho, sejam elas de qualquer tipo. Obrigado e até a próxima.

Este artigo foi emprestado do site: http://www.infoq.com e seu autor é: Manoel Pimentel Medeiros, CSP

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s