Arquivo da tag: filosofia

Documentário – Desvendando a Maçonaria – Parte 3

Continuação do Documentário sobre a Maçonaria:

A Maçonaria é uma sociedade secreta?

A Maçonaria não é uma sociedade secreta, no sentido como tal termo é geralmente empregado. Uma sociedade secreta é aquela que tem objetivos secretos e oculta a sua existência assim como as datas e locais de suas sessões. O objetivo e propósito da Maçonaria, suas leis, história e filosofia tem sido divulgados em livros que estão à venda em qualquer livraria. Os únicos segredos que a maçonaria conserva são as cerimônias empregadas na admissão de seus membros e os meios usados pelos Maçons para se conhecerem.

Os primeiros videos podem ser vistos aqui (parte 1) e aqui (parte 2)

Sucesso Sempre…

Como ter um diploma certificado da FGV?

Passeando pela internet, encontrei na FGV (Fundação Getúlio Vargas), várias opções de cursos on-line, ministrados pela propria FVG, com direito a certificado ao final de cada curso. São diversas opções de cursos, que vão desde cursos rápidos, de 5 horas de carga horária, até cursos com 30 horas, sendo um reforço de grande ajuda em nosso desenvolvimento profissional.

Para testar a funcionalidade do projeto, fiz o curso de Balanced ScoreCard, de duração de 5 horas, e já recebi o meu certificado, que agora já posso implementar em meu curriculo pessoal e profissional. Além deste curso, temos diversos outros, veja algumas opções de cursos listadas abaixo:

  • Cursos de 5 Horas:
    • Conceitos e Princípios Fundamentais do Direito Tributário
    • Consultoria em Investimentos Financeiros – Intermediação Financeira
    • Direito do Trabalho – Contratação do Trabalhador
    • Fundamentos da Gestão de Custos
    • Gestão de Pessoas – Motivação nas Organizações
  • Cursos Acima de 5 horas:
    • Ciência e Tecnologia
    • Diversidade na Organização
    • Ética Empresarial
    • Recursos Humanos
    • Filosofia
    • Sociologia

Estes são apenas alguns exemplos de cursos disponíveis. Para saber sobre mais cursos, clique no logo da FGV abaixo, e acesse diretamente o portal de cursos. O cadastro é rápido, bastando escolher o curso desejado, informar o seu CPF e o seu e-mail, e depois, preencher um pequeno formulário com seus dados pessoais. Após esta rápida burocracia, você tem total acesso ao curso escolhido, montados de uma forma dinâmica e prática, facilitando o aprendizado.

Fundação Getulio Vargas

Outro detalhe interessante dos cursos, é a variedade de informações, através de filmes, gráficos e modelos bem apresentados, junto com um extenso material de apoio, que inclui textos de filósofos, pensadores e profissionais atuantes nos campos de estudo.

Vejam abaixo o meu certificado referente ao curso BSC, oferecido pela Fundação Getúlio Vargas:

Agora não temos mais desculpas para não aperfeiçoarmos o nosso conhecimento. Existem muitos outrs sites como este, podemos citar por exemplo o portal da Intel, que também disponibiliza cursos voltados para TI de forma gratuíta e com certificado ao término de cada modulo. Mais informações vocês podem ver acessando este link: Inatitude – Intel e Cursos Gratuitos.

Por enquanto é isso pessoal, espero que tenham gostado da dica, e desejo bons estudos e sucesso a todos. Qualquer dúvida, crítica ou sugestão, deixem comentários que todos serão lidos e respondidos.

Os dogmas fortalecidos pelas tradições fortalecem os valores dos seres humanos?

Já falamos algumas vezes sobre valores aqui neste espaço, textos que podem ser vistos aqui e aqui, e também, falamos sobre a influência dos dogmas e das tradições, que também pode ser visto aqui. Este último texto levantou outra questão da parte de uma leitora, que descrevo a seguir: “Os Dogmas, fortalecidos por certas tradições, fortalecem os valores dos seres humanos?”. Vamos fugir um pouco dos valores como qualidade de vida, totalmente voltado para o desenvolvimento humano, e vamos utilizar este tema para filosofar um pouco sobre a questão levantada.

Primeiramente, vamos apenas recapitular um pouco sobre os valores. Para o desenvolvimento humano, os valores são ferramentas de grande importância para o sucesso de um individuo. Quando ele cria metas, onde seus valores podem ser utilizados para na busca de resultados, suas chances se tornam maiores. Então, podemos chegar à conclusão de que os valores, quando bem posicionados, servem de alavanca para a ascensão de um individuo. Já os dogmas, como nós relacionamos no artigo anterior, são uma espécie de fundamentalismo intelectual. Os dogmas expressam verdades certas, indubitáveis e não sujeitas a qualquer tipo de revisão ou crítica. Neste mesmo artigo, também tiramos algumas conclusões a respeito da relação entre dogmas e tradições, concluindo que eles mantêm uma relação de fortalecimento, por parte das tradições, tornando os dogmas um elemento concreto no dia a dia das pessoas.

Já entrando na questão levantada para este artigo, de que forma, (caso seja realmente isso que aconteça), os dogmas podem influenciar nos valores das pessoas?

Realmente, acho que os valores estão em um patamar superior aos dogmas e as tradições. Enquanto estes últimos, são partes da coletividade, fazem parte de “regras” da sociedade, criadas e estruturadas durante um grande período de tempo, os valores são algo pessoal, que vem de cada individuo, e se fortalece unicamente pelo seu uso constante e pela disposição do individuo em praticar seus próprios valores.

Podemos utilizar como exemplo, o ato de roubar. Independente dos dogmas e tradições existentes em torno deste assunto, o que realmente fará a diferença entre o individuo que pratica o ato de roubar, e o que não o pratica, são os seus valores pessoais. Um indivíduo com seus valores corrompidos, não se importam em agir contrario aos dogmas que afirmam que roubar é errado, e vai praticar este ato, sem se preocupar com as conseqüências que poderão surgir. Já um indivíduo, com seus valores centrados, que tem como pilar destes valores a “honestidade”, sabem que este ato é inadmissível, e se colocará sempre em oposição a executá-lo, por mais que a situação ao seu redor seja favorável.

Ao meu ponto de vista, os valores são superiores aos dogmas, já que é através destes valores que podemos analisar, sem um pré-julgamento, as pessoas de forma individual, quando os dogmas fazem uma analise da sociedade, com suas “certezas”.

Os valores são os pilares para o desenvolvimento humano pessoal, valores como “família”, “honestidade”, “amizade”, “respeito”, são com certeza acima de dogmas impostos pela sociedade, pois são elementos básicos para uma estrutura sadia e sustentável. Se cada indivíduo, por si só, trabalhar os seus valores, sem trair sua própria natureza cultura humana, com certeza não teríamos que nos basear em dogmas criados para um conjunto da massa, para ter uma sociedade mais justa e honesta com si mesma.

Espero que tenha sido claro em meus levantamentos, e desejo a todos uma vida de sucesso, sempre.

De que forma o Dogmatismo e as tradições se complementam?

dogmaDe um modo geral, o dogmatismo é uma espécie de fundamentalismo intelectual. Os dogmas expressam verdades certas, indubitáveis e não sujeitas a qualquer tipo de revisão ou crítica.”, e “Tradição mais precisamente é uma transmissão oral de lendas ou narrativas ou de valores espirituais de geração em geração. Uma crença de um povo, algo que é seguido conservadoramente e com respeito através das gerações. Uma recordação, memória ou costume.(Trechos retirados da Wikipédia)

Analisando as duas frases acima, podemos começar a tecer alguns comentários a respeito de dogmas e tradições. Ao invés de responder diretamente a questão levantada no titulo deste artigo, vou tentar comparar os dois conceitos analisados, e nas comparações, encontrar pontos onde eles se complementam, ou seja, como o dogma e a tradição se suportam mutuamente.

É mais fácil, começarmos a falar das tradições, e dentre todas as tradições que conhecemos, sendo participantes ou não, vou começar com talvez a que seja mais polemica, as Tradições Religiosas.

Falando sobre tradições religiosas, podemos levantar alguns assuntos, como por exemplo, o celibato, por parte dos sacerdotes católicos, o casamento de branco, que mostra a pureza da noiva, a confissão, que auxilia a livrar as almas pecadoras de seus fardos, entre muitas outras tradições que se criaram e se fortaleceram durante os séculos em que foram praticadas. Estes são exemplos de tradições, mas e o dogma, onde entra o dogma juntamente com estas tradições?

De meu ponto de vista, após muita leitura e racionalização dentro deste assunto, é de que os dogmas andam em conjunto com as tradições, e são estas, que com seu uso constante, fortalece e cria os dogmas que encontramos hoje. Em relação ao exemplo acima, é tradição que os sacerdotes devem manter seu celibato, mas esta tradição é tratada como um dogma, que afirma cegamente que o sacerdote que contrariar a esta tradição não terá para si um lugar no reino dos céus. Da mesma forma, os outros exemplos são tradições, onde também podemos encontrar seus dogmas caminhando lado a lado. O casamento de branco, exemplificando a pureza, que como dogma transpassa a certeza de que as mulheres que não mais são puras, não merecem a benção de Deus em sua união, e no ultimo exemplo, onde atesta que os fieis que não buscarem a redenção na confissão, também não será merecedor do perdão divino.

Estes são apenas alguns exemplos, mas podemos encontrar muitos outros exemplos em diversas outras situações, como as tradições que existem junto ao serviço militar, com seus dogmas andando em compasso, ou as tradições de cada povo, em cada região, criando também dogmas que se fortalecem, a cada instante em que a tradição é posta a vista.

Desta forma, não creio que a palavra “complemento”, seja a mais adequada para se utilizar no contexto dos dogmas e das tradições, acho que seria mais apropriado utilizar o termocomensalismo”, já que os dogmas precisam das tradições para se fortalecer, já as tradições, se fortalecem por si mesmas, junto ao seu povo, e independem dos dogmas para existirem.

Cultura e Natureza Humana

natureza

Quais culturas compõem nossa propria cultura?

Se formos analisar a pergunta acima, torna-se muito claro que não existe uma resposta simples. A cultura brasileira é uma mistura de muitas outras culturas, uma miscigenação que ocorre desde o tempo de seu descobrimento, a mais de 500 anos. Desde que o primeiro aventureiro chegou às terras brasileiras, ainda desconhecidas, descobriu um novo mundo onde predominava uma única cultura, a cultura dos índios “selvagens” que por aqui habitavam e coexistiam com a natureza.

Estes colonizadores trouxeram em suas bagagens, uma nova cultura, já influenciada por muitos anos de existência, e a partir deste momento, começou a grande mistura de idéias dentro deste nosso território. No principio, a cultura dos nativos foi subjugada, dando se prioridade para a cultura do velho mundo que por aqui se instalava, com a mudança de nosso idioma natal, como também de nossa forma de vida. Após anos de um “massacre” cultural, logo predominava a nova cultura, mas sem deixar de ainda existir reminiscências da cultura nativa, que se adaptou de forma a incorporar as novas idéias trazidas de além-mar, e formar assim o começo de uma nova linguagem.

O tempo seguia seu curso natural, quando começaram a adentrar os primeiros navios negreiros, que foram buscar em outro continente (uma cultura totalmente nova), mão de obra barata para suprir a quantidade de trabalho e exploração aqui realizados. Com a entrada dos escravos em nossa cultura, já subjugada pela cultura do velho mundo, houve uma nova adaptação de nosso modo de viver, onde o confronto das culturas, umas mais fortes e predominantes, outras já em estado final, criaram novamente uma linguagem corporal e existencial diferente de qualquer outra existente.

Além destas intervenções bem conhecidas, podemos citar muitas outras que ocorreram nos anos que se seguiram, como por exemplo, a invasão de nossas terras pelas demais culturas: italiana, japonesa, holandesa, entre muitas outras. O Brasil, como nós conhecemos, se tornou um “porto sem dono”, onde se criou uma sociedade mista, com influencia cultural vinda de cada canto do globo.

Não é possível ainda, analisar os benefícios ou malefícios que isso causou a todos nós, pois apesar desta invasão existente desde o principio ter destruído com a cultura pré-existente, também trouxe muito mais conhecimento, proporcionando o surgimento de um povo que tem um pouco de cada país, um pouco de cada continente, um pouco de cada cultura do planeta.

Mesmo cada vez mais raro, ainda é possível ver os mitos nacionais, dentro do folclore, descobrir o conhecimento de gente da terra, que superou a influencia externa e ainda mantém vivo dentro de si a cultura original, e tudo isso, mesclado com novas culturas, novos símbolos, novas crenças e expressões.

A influência disso tudo, não é apenas sobre mim, mas sim sobre cada individuo que coexista neste território. E ao mesmo tempo em que toda essa mistura de culturas e sabores faz bem e proporciona um maior conhecimento sobre a vida, também é importante destacar as nossas origens, a nossa “brasilidade”, e respeitar ambas as situações, coexistir em meio a todas estas culturas, com uma personalidade própria e saudável, pois não importa realmente a cultura em que vivemos, e sim, o que fazemos de nossa vida, de acordo com a nossa cultura.

Abraços e sucesso sempre…