Arquivo da tag: técnicas

Serie: Um pouco mais sobre Coaching

O que é Coaching?

É um relacionamento no qual uma pessoa se compromete a apoiar outra a atingir um determinado resultado: seja ele o de adquirir competências e/ou produzir uma mudança específica. Mas não significa um compromisso apenas com os resultados, mas sim com a pessoa como um todo, seu desenvolvimento e sua realização. Através do processo de Coaching, novas competências surgem, tanto para o coach quanto para seu cliente.

Não estou falando só de competências técnicas ou capacidades específicas, das quais um bom programa de treinamento poderia dar conta perfeitamente. Coaching é mais do que treinamento, o coach permanece com a pessoa até o momento em que ela atingir o resultado. É dar poder para que a pessoa produza, para que suas intenções se transformem em ações que, por sua vez, se traduzam em resultados.

Os papéis de Coach e de cliente

O termo inglês coach tem origem no mundo dos esportes e designa o papel de treinador, preparador, “o técnico” como conhecemos. Devido as distorções que os próprios técnicos fazem do real significado deste papel, usarei o termo em inglês para evitar contaminações. E para enfatizar as diferenças, chamarei de “cliente” a pessoa a quem o coach atende. É o coach que dá suporte ao “cliente”, serve ao cliente e não o contrário. Mesmo que seja um líder apoiando pessoas do seu time, ele está a serviço do time e não o inverso. Esta é uma das distorções a que me referi acima.

Coach também é confundido com conselheiro, mentor e guru. Apesar de extremamente valiosos, nenhum destes papéis requer o compromisso de apoiar pessoas a realizar metas. No papel de coach, este compromisso é fundamental na medida em que o coach atua no campo do desempenho – resultado e realização pessoal – e influencia no desenvolvimento de padrões éticos, comportamentais e de excelência.

A Visão de Futuro

Na relação com o cliente, o coach deve: 1. estimulá-lo a identificar seus valores essenciais e a expressá-los, desenvolvendo uma postura de integridade pessoal; 2. desafiá-lo a “sonhar acordado”, a criar para si mesmo uma visão de futuro que o entusiasme e que utilize ao máximo a sua energia criadora.

Isto é particularmente importante porque não é raro as pessoas definirem suas metas para atender aos desejos e necessidades dos outros, chefes ou familiares. Às vezes, a visão que o cliente tem do problema é a própria fonte do problema. Por exemplo, um cliente muito viciado numa determinada estratégia de negócio pode não perceber novas e melhores estratégias. Coaching é uma relação dinâmica que permite romper antigos paradigmas e estabelecer novas fronteiras.

Coaching é uma relação sólida, consciente

É necessário que a relação entre coach e cliente seja de muita confiança. Para isto é imprescindível que haja feedback constante entre os dois, facilitando a compreensão mútua dos valores e a troca de experiências. Esta prática de abertura, central em Coaching, abre espaço para um alto padrão de desempenho. O coach incentiva o cliente a compreender todo feedback que a experiência proporciona e a analisar a situação sob novas perspectivas. Com seu feedback, o cliente amplia sua consciência e fortalece sua auto-estima.

Vivemos vitórias e realizações, mas também conhecemos a dor, os fracassos e as frustrações. Tanto no sucesso como no fracasso, a auto-ilusão atrapalha o aproveitamento da experiência, porque ela protege o ego. No sucesso, a ilusão mais comum (porque doce) é a de que ele será eterno; no fracasso, é o medo de que isto se torne um padrão e que a derrota seja iminente. Os problemas de auto-estima são fatais para o desempenho porque favorecem a auto-ilusão. É mais confortável enganar-se do que enfrentar críticas. Um cliente com baixa auto-estima pode rejeitar o feedback do coach, dificultando o avanço do processo.

Por outro lado, se o coach tiver tido um fracasso recente, ele pode iludir-se e deixar que seus sentimentos de inveja em relação ao sucesso do cliente possam comprometer os resultados. Especialmente se o cliente for inexperiente ou pouco observador. Por isso, o coach precisa estar muito atento à sua visão da realidade e à consistência de sua própria auto-estima. Coaching é aprender e desaprender. Se não pudermos desaprender, é muito difícil sermos bons coaches ou clientes. Coaching é desenvolver um novo nível de consciência.

Análise da trajetória ou… a bagagem de mão

É extremamente importante que o coach e o cliente conheçam bem a trajetória de realização um do outro. Conhecer as atitudes do outro, seus valores, padrões de comportamento e principais sucessos e fracassos. Conhecendo o cliente, o coach poderá ajudá-lo a identificar o gap entre a visão de futuro dele e a sua situação e competências atuais. E, conhecendo o coach, o cliente saberá usar melhor a sua experiência, sua bagagem.

A análise da trajetória não deve transformar o passado numa plataforma para a visão de futuro, isto limitaria o futuro a ser uma extensão do passado. Esta análise serve para identificar pontos fortes e fracos (de ambos) que possam influir no desempenho futuro e que devem ser considerados no plano de ação. Assim, facilita o sucesso do plano de ação e evita problemas decorrentes da falta de planejamento.

Coaching é ação comprometida

Coaching é determinação, é a coragem necessária quando se tem desafios a superar. As emoções são essenciais para construir uma ponte vigorosa entre o coach e seu cliente, que sustente o percurso desde a intenção até a realização. Sem emoção, não há envolvimento nem energia para a ação. Alegria, determinação e, principalmente, confiança são as bases para um relacionamento/projeto bem sucedido. Respeito, solidariedade e afeto tornam o caminho mais suportável.

Mas, é preciso construir uma trilha clara para que estas emoções surtam o efeito desejado. É preciso construir um plano de ação previamente acordado entre coach e cliente para garantir o sucesso do projeto. Sem ele, o coach não tem onde apoiar o seu compromisso. Entretanto, este plano não deve ser uma camisa de força à qual os dois estão amarrados, e sim deve funcionar como uma bússola, um esquema norteador na jornada que ambos estão empreendendo.

A Liderança na organização

Coaching não é um processo novo, embora seja pouco disseminado nas organizações. Uma das razões disto é o fato de ter sido transposto da casa para a empresa sem os filtros ou adaptações necessários. Pior, com as mesmas limitações com que é feito em casa. Gerentes podem confundir o papel de coach com o de pai, tratando o outro profissional como o seu filho. O contexto psico-emocional é diferente, agravado pela situação de poder estabelecida, o que causa problemas para os dois lados. A outra razão é que os benefícios do processo não ficam claros para todos. Por que as pessoas deveriam dedicar-se ao desenvolvimento dos outros?

Porque Coaching é liderança refinada. Coach é líder, nem todo líder é coach. Para ser coach, não precisa ser chefe do cliente, embora gerentes, chefes e supervisores sejam os coaches mais prováveis, em função da liderança que se espera que eles exerçam junto aos outros e não sobre os outros. Os coaches ganham uma escola prática de liderança e autoconhecimento que nenhuma formação acadêmica dá, os clientes ganham suporte ao seu desenvolvimento e a organização ganha uma extraordinária rede de formação contínua e compromisso com resultados. Pode haver algo mais útil e econômico?

Natal – Mais um ano chegando ao fim…

Faz um tempinho que não coloco nenhuma postagem original em nosso espaço, por isso hoje  resolvi fazer uma homenagem ao ano de 2009, que já esta terminando, e com isso, fazer uma pequena reflexão sobre nossas atitudes neste ano que passou tão depressa, com tantas informações acontecendo.

Final de ano rima com Reflexão, refletir sobre nosso comportamento durante o ano, criar nossas “listas de mudanças” para o ano vindouro, reatar antigas amizades, eliminar velhos hábitos, entre muitas outras coisas. Neste momento, fica a pergunta:

De tudo o que você planejou em dezembro de 2008, o que realmente você realizou no ano de 2009?

Lembra-se daquele regime que você iria começar? Ou do novo emprego que você iria procurar? Talvez uma promessa de deixar de fumar, ou de se comportar melhor com seus parceiros e parceiras. São muitas promessas de final de ano, que depois não conseguimos concretizar. Eu mesmo, por experiência própria, ignorei muitas coisas que planejei realizar neste ano, e conforme ele vai chegando ao seu fim, vejo que perdi muitas oportunidades de realiza-las.

E você, que projetos ignorou, e que agora ao final do ano não vê mais possibilidades de realiza-lo? Este ano, podemos fazer a diferença em nossa vida, começando por trabalhar melhor nosso comprometimento, junto a nós mesmos.  Esta é a palavra chave deste Post, “COMPROMETIMENTO”

com.pro.me.ter

  1. expor alguém ou algo a um risco
    • O documento de 1987 lançou o conceito de “desenvolvimento sustentável”, aquele capaz de atender às necessidades das atuais gerações sem comprometer os direitos das futuras. (editorial do jornal O Estado de São Paulo de 02 de novembro de 2007)
  2. constituir uma obrigação a alguém; fazer alguém ser responsável de algo
    • O presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, anunciou ontem a antecipação das eleições presidenciais do fim de 2008 para o dia 5 de janeiro. Ele fez uma rápida aparição na TV para anunciar a medida e para comprometer-se com a suspensão do estado de emergência que decretou na quarta-feira em razão dos protestos da oposição. (editorial do jornal O Estado de São Paulo de 09 de novembro de 2007)
  3. contrair um compromisso
    • “Não necessariamente esses protocolos precisarão incluir atos como cerceamento dos vestibulares ou chegar ao fechamento de uma instituição. Podem ser apenas metas para sanar deficiências, mas as instituições vão ter que se comprometer”, explica o secretário de Ensino Superior do MEC, Ronaldo Mota. (editorial do jornal O Estado de São Paulo de 11 de novembro de 2007)

Analisando a definição acima, vamos nos apoiar na 3ª definição da palavra, e ver como podemos nos comprometer com nós mesmos, para que possamos realizar todos os nossos objetivos:

Dicas de Comprometimento e Realizações de Final de Ano

1ª Dica: Antes de mais nada, você precisa realmente dar importância para você mesmo, se dar o valor que realmente têm, e não deixar que outras pessoas, compromissos, situações sejam mais importantes que o seu próprio bem estar. Tenha sempre em mente que: “Você é a pessoa mais importante do mundo, é um ser único e inimitável”.

2ª Dica: Faça uma lista das realizações que deseja para o próximo ano. Tudo começa a partir desta lista. Aprenda a analisar e dar prioridade para o que você realmente ache importante. No momento que colocamos nossos projetos em um papel, eles começam a tomar forma, começam a existir realmente. Um pensamento é muito vago, temos milhões de pensamentos por segundo, então não confie apenas no seu desejo e no seu pensar, comece a por em prática seu desejo, materializando o mesmo em um pedaço de papel.

3ª Dica: Depois de ter sua lista de realizações pronta, leia-a com muita atenção. Verifique cada um de seus desejos, sonhos e vontade, e crie categorias para os mesmos, da seguinte forma:

  • Urgente – Para realizações que devem ser feitas o mais rápido possível, e que interfiram de alguma forma diretamente com o seu bem-estar.
  • Normal – Para realizações que você deseja realizar ao longo do ano, como por exemplo criar uma poupança para o próximo natal, fazer um curso novo de longa duração, planejar as férias do meio do ano.
  • Irrelevantes – Com certeza, digo por experiência própria, nenhuma de nossas realizações são irrelevantes, Não gostamos de admitir que queremos algo supérfluo, mas isso é muito comum, e são exatamente estas realizações irrelevantes que irão atrasar nosso próprio desenvolvimento, junto as realizações que podem mudar algo significativo em nossa vida. Só conseguimos identificar estas realizações, quando as colocamos num pedaço de papel e a comparamos com as realizações realmente importantes.

4ª Dica: Mantenha este papel muito bem guardado, mas num local que seja de fácil localização para você, onde você esteja constantemente em contato com ele. Pode ser sua gaveta de roupas intimas, o armário do banheiro, ou outro lugar que o acesso seja limitado, mas constante. Quanto mais contato tivermos com nossos objetivos, mais fácil é realiza-los.

5ª Dica: Nunca desista, ou deixe que outras pessoas o desanimem a realizar todos os seus sonhos ali listados. O Ideal, é que ninguém tenha acesso a suas realizações, afinal, são apenas suas, e somente a você cabe julgar o grau de dificuldade de cada uma. É bastante comum pessoas interferirem em nossos desejos, por não terem a capacidade de realizar seus prórpios desejos. Elas não permitem que possamos alcançar nossos objetivos, criando obstaculos que não existem, apenas para que desistamos no meio do caminho. Não deixe que isso aconteça com você. Lembre-se sempre da primeira dica, “Você é a pessoa mais importante do mundo, é um ser único e inimitável”.

Com estas 5 dicas, se você realmente tem vontade de realizar todos os seus sonhos e promessas de final de ano, será muito mais fácil. Experimente e veja a facilidade com que as coisas irão acontecer ao seu redor. Vou deixar aqui um video, de uma excelente música, que retrata bem o que tentei dizer neste ultimo parágrafo:

O Universo a Nosso Favor

Charlie Brown Jr.

Composição: Nicolas C / Danilo C / Rodrigo C. / Vitor I. / Chorão

Meus olhos hoje brilham mais
O mundo roda e tudo muda num instante
Procure a luz que vai te libertar
Eu vejo, aprendo e sou capaz
De transformar o medo em algo irrelevante
Sem grades pra me aprisionar

Meus olhos hoje brilham mais
Aquele beijo vindo intenso como antes, da luz que pode libertar
Eu vejo, penso e sou capaz
De viajar o mundo todo num instante
Sem apegos pra me ancorar

Então dorme anjo
Meu pensamento voa livre, leve e solto, louco
O universo inteiro conspira a nosso favor

A natureza sempre traz
Todas as formas pra se atingir o estado
Os tormentos não vão te alcançar
E nada é mais eficaz que o pensamento positivo amplificado
Sem anseios pra te aprisionar

E se você observar o mar
Vai ver que a vida é mutante como a cidade
Ninguém pode nos rotular
Perder, ganhar, deixar rolar
Intensidade agora em algo novo
A vida tem que se renovar

Então dorme anjo, não vale a pena preocupar-se por tão pouco
O universo inteiro conspira a nosso favor

Mas não podemos ficar somente na nossa lista, observando-a todos os dias, para que nossas realizações realmente se materiarizem, é preciso também ação, muita ação de nossa parte. A lista será apenas nosso mapa, para chegar ao destino que tanto desejamos. Amanhã, prepararei um novo post, sobre objetivos, como criar o seu próprio objetivo, com varias ferramentas e técnicas que o Coaching nos proporciona. Você verá como será muito fácil depois desta série de textos, realizar seus objetivos.

Entrem, comentem sobre nossos temas, deixe sua pergunta ou fale sobre casos interessantes que você tenha vivenciado. Toda participação no blog será sempre muito bem vinda.

Desejo a todos uma ótima noite, muito sucesso e realizações…

Estratégias para o Sucesso Pessoal…

A imaginação é uma arma muito poderosa. Por meio dela podemos erguer muralhas intransponíveis ou construir as ferramentas necessárias para derrubá-las.
Se você quiser superar os seus limites, siga estas dicas e crescerá diante de cada meta que tentar conquistar.
Passos
1
Apóie-se nas suas qualidades para conseguir o que quer. Uma visão positiva de si mesmo é a melhor condição para superar os impedimentos que você se impõe.
2
Amplie os seus conhecimentos e desenvolva as suas habilidades. Sempre haverá situações novas com as quais aprender. Você poderá fazer isso durante a vida toda.
3
Adote uma postura dinâmica, que valorize a mudança e que possa transformar aquilo que você observa. Não aposte no estático, no imutável, pois a vida está em constante transformação.
4
Procure desafios que você considera possíveis de enfrentar, mas que, ao mesmo tempo, exijam certo esforço. Assim você se manterá com uma “energia positiva”, que se realimentará a cada objetivo atingido.
5
Nunca diga “eu não consigo”. Comece relativizando tudo o que parecer impossível no primeiro momento e mentalmente se repita “eu não posso por enquanto agora”. E comece a se preparar para mudar o jogo futuro.
6
Faça todos os dias alguma coisa, por menor que seja, para melhorar as suas possibilidades.
7
Pense com ousadia e sem preconceitos. Crie o mundo que você deseja na sua mente. O sucesso precisa nascer primeiro na sua imaginação.
8
Fortaleça os seus melhores desejos. Pense positivo. Deixe de lado a crítica inútil e o pessimismo.
9
Fortaleça a autocrítica positiva, perguntando-se a partir de uma abordagem otimista: o que eu ganhei, o que eu aprendi, o que eu somei, do que eu me livrei.
Importante
Você pode apostar em uma mudança brusca e radical, confiando na sorte. Ou apostar na transformação gradual e sustentada, em que você não depende da sorte, mas sim da sua determinação para conquistar o que deseja. Está nas suas mãos escolher o caminho que achar melhor.

A imaginação é uma arma muito poderosa. Por meio dela podemos erguer muralhas intransponíveis ou construir as ferramentas necessárias para derrubá-las.

Se você quiser superar os seus limites, siga estas dicas e crescerá diante de cada meta que tentar conquistar.

  • Apóie-se nas suas qualidades para conseguir o que quer. Uma visão positiva de si mesmo é a melhor condição para superar os impedimentos que você se impõe.
  • Amplie os seus conhecimentos e desenvolva as suas habilidades. Sempre haverá situações novas com as quais aprender. Você poderá fazer isso durante a vida toda.
  • Adote uma postura dinâmica, que valorize a mudança e que possa transformar aquilo que você observa. Não aposte no estático, no imutável, pois a vida está em constante transformação.
  • Procure desafios que você considera possíveis de enfrentar, mas que, ao mesmo tempo, exijam certo esforço. Assim você se manterá com uma “energia positiva”, que se realimentará a cada objetivo atingido.
  • Nunca diga “eu não consigo”. Comece relativizando tudo o que parecer impossível no primeiro momento e mentalmente se repita “eu não posso por enquanto agora”. E comece a se preparar para mudar o jogo futuro.
  • Faça todos os dias alguma coisa, por menor que seja, para melhorar as suas possibilidades.
  • Pense com ousadia e sem preconceitos. Crie o mundo que você deseja na sua mente. O sucesso precisa nascer primeiro na sua imaginação.
  • Fortaleça os seus melhores desejos. Pense positivo. Deixe de lado a crítica inútil e o pessimismo.
  • Fortaleça a autocrítica positiva, perguntando-se a partir de uma abordagem otimista: o que eu ganhei, o que eu aprendi, o que eu somei, do que eu me livrei.

Importante

Você pode apostar em uma mudança brusca e radical, confiando na sorte. Ou apostar na transformação gradual e sustentada, em que você não depende da sorte, mas sim da sua determinação para conquistar o que deseja. Está nas suas mãos escolher o caminho que achar melhor.

Ferramentas de Coaching – Análise Swot

A Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico de uma corporação ou empresa, mas podendo, devido a sua simplicidade, ser utilizada para qualquer tipo de análise de cenário, desde a criação de um blog à gestão de uma multinacional.
A Análise SWOT é um sistema simples para posicionar ou verificar a posição estratégica da empresa no ambiente em questão. A técnica é creditada a Albert Humphrey, que liderou um projeto de pesquisa na Universidade de Stanford nas décadas de 1960 e 1970, usando dados da revista Fortune das 500 maiores corporações.
O termo SWOT é uma sigla oriunda do idioma inglês, e é um acrónimo de Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats).
Não há registros precisos sobre a origem desse tipo de análise, segundo HINDLE & LAWRENCE (1994) a análise SWOT foi criada por dois professores da Harvard Business School: Kenneth Andrews e Roland Christensen. Por outro lado, TARAPANOFF (2001:209) indica que a idéia da análise SWOT já era utilizada há mais de três mil anos quando cita em uma epígrafe um conselho de Sun Tzu: “Concentre-se nos pontos fortes, reconheça as fraquezas, agarre as oportunidades e proteja-se contra as ameaças ” (SUN TZU, 500 a.C.) Apesar de bastante divulgada e citada por autores, é difícil encontrar uma literatura que aborde diretamente esse tema.
Análise SWOT
Estas análise de cenário se divide em ambiente interno (Forças e Fraquezas) e ambiente externo (Oportunidades e Ameaças).
As forças e fraquezas são determinadas pela posição atual e se relacionam, quase sempre, a fatores internos. Já as oportunidades e ameaças são antecipações do futuro e estão relacionadas a fatores externos.
O ambiente interno pode ser controlado pelo individuo, uma vez que ele é resultado das estratégias de atuação definidas por ele mesmo. Desta forma, durante a análise, quando for percebido um ponto forte, ele deve ser ressaltado ao máximo; e quando for percebido um ponto fraco, o individuo deve agir para controlá-lo ou, pelo menos, minimizar seu efeito.
Já o ambiente externo está totalmente fora do controle. Mas, apesar de não poder controlá-lo, o individuo deve conhecê-lo e monitorá-lo com freqüência, de forma a aproveitar as oportunidades e evitar as ameaças. Evitar ameaças nem sempre é possível, no entanto pode-se fazer um planejamento para enfrentá-las, minimizando seus efeitos. A Matriz SWOT deve ser utilizada entre o diagnóstico e a formulação estratégica propriamente dita.
swotA Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico de uma corporação ou empresa, mas podendo, devido a sua simplicidade, ser utilizada para qualquer tipo de análise de cenário, desde a criação de um blog à gestão de uma multinacional.
A Análise SWOT é um sistema simples para posicionar ou verificar a posição estratégica da empresa no ambiente em questão. A técnica é creditada a Albert Humphrey, que liderou um projeto de pesquisa na Universidade de Stanford nas décadas de 1960 e 1970, usando dados da revista Fortune das 500 maiores corporações.
O termo SWOT é uma sigla oriunda do idioma inglês, e é um acrónimo de Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats).
Não há registros precisos sobre a origem desse tipo de análise, segundo HINDLE & LAWRENCE (1994) a análise SWOT foi criada por dois professores da Harvard Business School: Kenneth Andrews e Roland Christensen. Por outro lado, TARAPANOFF (2001:209) indica que a idéia da análise SWOT já era utilizada há mais de três mil anos quando cita em uma epígrafe um conselho de Sun Tzu: “Concentre-se nos pontos fortes, reconheça as fraquezas, agarre as oportunidades e proteja-se contra as ameaças ” (SUN TZU, 500 a.C.) Apesar de bastante divulgada e citada por autores, é difícil encontrar uma literatura que aborde diretamente esse tema.
Análise SWOT
Estas análise de cenário se divide em ambiente interno (Forças e Fraquezas) e ambiente externo (Oportunidades e Ameaças).
As forças e fraquezas são determinadas pela posição atual e se relacionam, quase sempre, a fatores internos. Já as oportunidades e ameaças são antecipações do futuro e estão relacionadas a fatores externos.
O ambiente interno pode ser controlado pelo individuo, uma vez que ele é resultado das estratégias de atuação definidas por ele mesmo. Desta forma, durante a análise, quando for percebido um ponto forte, ele deve ser ressaltado ao máximo; e quando for percebido um ponto fraco, o individuo deve agir para controlá-lo ou, pelo menos, minimizar seu efeito.
Já o ambiente externo está totalmente fora do controle. Mas, apesar de não poder controlá-lo, o individuo deve conhecê-lo e monitorá-lo com freqüência, de forma a aproveitar as oportunidades e evitar as ameaças. Evitar ameaças nem sempre é possível, no entanto pode-se fazer um planejamento para enfrentá-las, minimizando seus efeitos. A Matriz SWOT deve ser utilizada entre o diagnóstico e a formulação estratégica propriamente dita.
Com o acompanhamento de um Coaching, é possivel solucionar muitos problemas e dificuldades diários se utilizando desta ferramenta. Para maiores informações, entrem em contato através dos comentários, ou pelo e-mail: douglas.coach@gmail.com.

Coaching, Consultoria ou Psicoterapia?

Coaching de Consultoria? e de Psicoterapia?
Uma das ferramentas no Coaching é a distinção. Distinguir semelhanças e diferenças clarifica propósitos e resultados.
Como estamos falando de prática, iremos considerar o seguinte exemplo: se o cliente quisesse começar a praticar algum esporte e, por qualquer razão, considerasse isto um desafio…
Num processo de consultoria, o consultor iria levantar o maior número de informações sobre o cliente em relação a sua vocação, através de seu passado na escola, nos clubes que freqüentou, etc. iria discutir com o cliente o resultado do levantamento e finalizaria o processo com uma recomendação, normalmente escrita como um manual e entregá-lo ao cliente. Além disso, algumas consultorias estão entrando na área de implantação e treinando o cliente, sempre de acordo com as técnicas de maior sucesso no mercado, para a realização do novo esporte .
Na psicoterapia , o terapeuta iria ouvir o cliente e buscar junto com ele (no passado e no inconsciente) os “por que?” do cliente. E através de técnicas psicanalíticas como interpretação, livre associação, transferência e contra-transferência o paciente irá conscientizar o que está impedindo a mudança .
No processo de coaching, o cliente irá verificar através de questionamento (formulários de auto-avaliação também são utilizados) quem o cliente é hoje, quais são seus valores e necessidades. Assim, o coach através de perguntas facilita a decisão Definido o esporte (o objetivo) e a estratégia (o como chegar lá) , o coach irá acompanhar todo o processo de aprendizado, apoiando e dando o suporte necessário para que a mudança de hábito realmente ocorra da forma mais fácil e consistente.
Acredito que todas as metodologias aqui descritas têm valor e são indicadas para diferentes casos, podendo mesmo ser contratadas simultaneamente. Assim, fica a pergunta:
– Neste momento, o que é melhor para você?

Uma das ferramentas no Coaching é a distinção. Distinguir semelhanças e diferenças clarifica propósitos e resultados.

Como estamos falando de prática, iremos considerar o seguinte exemplo: se o cliente quisesse começar a praticar algum esporte e, por qualquer razão, considerasse isto um desafio…

Num processo de consultoria, o consultor iria levantar o maior número de informações sobre o cliente em relação a sua vocação, através de seu passado na escola, nos clubes que freqüentou, etc. Iria discutir com o cliente o resultado do levantamento e finalizaria o processo com uma recomendação, normalmente escrita como um manual e entregá-lo ao cliente. Além disso, algumas consultorias estão entrando na área de implantação e treinando o cliente, sempre de acordo com as técnicas de maior sucesso no mercado, para a realização do novo esporte .

Na psicoterapia , o terapeuta iria ouvir o cliente e buscar junto com ele (no passado e no inconsciente) os “por que?” do cliente. E através de técnicas psicanalíticas como interpretação, livre associação, transferência e contra-transferência o paciente irá conscientizar o que está impedindo a mudança .

No processo de coaching, o cliente irá verificar através de questionamento (formulários de auto-avaliação também são utilizados) quem o cliente é hoje, quais são seus valores e necessidades. Assim, o coach através de perguntas facilita a decisão. Definido o esporte (o objetivo) e a estratégia (o como chegar lá) , o coach irá acompanhar todo o processo de aprendizado, apoiando e dando o suporte necessário para que a mudança de hábito realmente ocorra da forma mais fácil e consistente.

Acredito que todas as metodologias aqui descritas têm valor e são indicadas para diferentes casos, podendo mesmo ser contratadas simultaneamente. Assim, fica a pergunta:

Neste momento, o que é melhor para você?

Ferramentas de Coaching – A Roda da Vida

RodadavidaComo comentado em posts anteriores, disponibilizo a ferramenta da Roda da Vida para que vocês possam estar realizando este simples teste de análise pessoal. Caso queiram, vocês poderão estar enviando este teste para o e-mail douglas.coach@gmail.com, que estarei analisando e fazendo comentários pernitentes a cada caso. Caso não deseje se identificar, você pode utilizar um pseudômino, que manterei sigilo de sua pessoa.

Espero que este teste possa ajudar a muitas pessoas a iniciar o processo de coaching, fazendo sua análise pessoal, e vendo quais pontos positivos e negativos merecem ser trabalhados, para que possam alcançar seus objetivos.

Abaixo está os link para a versão em Excel, já com a programação de avaliação prévia. Para maiores informações, consulte nossos preços de uma avaliação completa da Roda da Vida.

Formato em Excel (Atualizado)

Ferramentas de Coaching – A Roda da Vida

Embora a felicidade não seja um estado permanente, ela pode ser buscada ao darmos atenção às diferentes esferas que compõe nossa existência.
Pensando nisso, os hindus desenvolveram um sistema de auto-avaliação chamado Roda da Vida.
Este sistema é composto por um círculo com oito divisões. Em cada uma delas é definida uma esfera da vida considerada fundamental para a conquista do equilíbrio pessoal. A ideia central é que as pessoas façam reflexões periódicas sobre a atenção dispensada a cada uma destas áreas e desenvolvam um plano de ação para melhorar o que não está satisfatório.
Cada esfera deve ser avaliada atribuindo-se uma pontuação de 0 a 100% que reflita a quantidade e a qualidade dos investimentos a ela destinados nos últimos meses. Segundo os hindus, as principais esferas da vida são: lazer, intelecto, saúde, vida financeira, amigos e família, trabalho, espiritualidade e amor.
1- Lazer: é o tempo disponível para fazer aquilo que dá prazer. Não entram neste item as atividades de trabalho ou de estudo, por mais que tragam satisfação. Esta área refere-se a tudo aquilo que “recarrega as suas energias”, que relaxa, diverte e dá satisfação.
2- Intelecto: são as atividades realizadas para o desenvolvimento intelectual. São os cursos, leituras, estágios, enfim, atividades que propiciam enriquecimento com informações que contribuirão para o seu crescimento.
3- Saúde: os hindus consideram esta esfera como a mais importante, pois sem ela o restante não flui. Deve-se avaliar como a saúde física está sendo cuidada. É preciso fazer exames periódicos de rotina e, quando necessário, submeter-se aos tratamentos propostos. Neste item existe também a preocupação com a quantidade e a qualidade dos alimentos ingeridos, e com a prática de exercícios físicos. O controle da obesidade e do sobrepeso é fundamental para a manutenção da saúde e da qualidade de vida.
4- Vida financeira: analisar se o rendimento financeiro é suficiente para suprir as necessidades de alimentação, vestuário, saúde e lazer de forma satisfatória, ou se a vida financeira é motivo de estresse e preocupação a ponto de trazer desgaste emocional.
5- Amigos e família: avalie os seus relacionamentos observando se é possível contar com os parentes e amigos nos bons momentos e também nas situações difíceis; se os encontros sociais são agradáveis e amistosos, sem grandes fontes de tensão; se os eventuais problemas são resolvidos com diálogo e boa vontade para “acertar as arestas”. Deve-se destacar que este item não inclui o relacionamento com o marido, esposa ou o namorado.
6- Trabalho e carreira: verificar se a atividade profissional é interessante e traz satisfação, se o ambiente de trabalho permite crescimento, se possui desafios e oferece oportunidades de progresso na carreira.
7- Espiritualidade: deve-se avaliar se há paz interior, coerência de valores e força interna para suportar as dificuldades sem se desequilibrar. Este item pode ou não estar ligado à religiosidade, mas se sua religião exerce influência nesses aspectos, a espiritualidade terá relação com suas crenças.
8- Amor: considerar se o vínculo emocional estabelecido com o parceiro(a) é satisfatório. Se há respeito mútuo das diferenças e dificuldades individuais e coerência nos atos que impulsionam o casal a continuar unido; se as respostas para superar as dificuldades presentes na vida a dois reforçam os laços afetivos do casal.
Parar para refletir pode ser um bom caminho a quem procura uma alternativa para realizar as mudanças necessárias para alcançar uma vida mais feliz. No sistema hindu é desejável que se obtenha pelo menos 60% de satisfação em cada uma das esferas.
Caso o nível de satisfação esteja abaixo desse valor, é importante promover as mudanças necessárias para suprir as deficiências e atingir o equilíbrio desejado. Experimente fazer esta avaliação para identificar se alguma esfera da sua vida pode ser melhorada para tornar você uma pessoa mais feliz. Vale à pena investir nesta descoberta pessoal. Então mãos à obra!

Embora a felicidade não seja um estado permanente, ela pode ser buscada ao darmos atenção às diferentes esferas que compõe nossa existência.

Pensando nisso, os hindus desenvolveram um sistema de auto-avaliação chamado Roda da Vida.

Este sistema é composto por um círculo com oito divisões. Em cada uma delas é definida uma esfera da vida considerada fundamental para a conquista do equilíbrio pessoal. A ideia central é que as pessoas façam reflexões periódicas sobre a atenção dispensada a cada uma destas áreas e desenvolvam um plano de ação para melhorar o que não está satisfatório.

Cada esfera deve ser avaliada atribuindo-se uma pontuação de 0 a 100% que reflita a quantidade e a qualidade dos investimentos a ela destinados nos últimos meses. Segundo os hindus, as principais esferas da vida são: lazer, intelecto, saúde, vida financeira, amigos e família, trabalho, espiritualidade e amor.

  1. Lazer: é o tempo disponível para fazer aquilo que dá prazer. Não entram neste item as atividades de trabalho ou de estudo, por mais que tragam satisfação. Esta área refere-se a tudo aquilo que “recarrega as suas energias”, que relaxa, diverte e dá satisfação.
  2. Intelecto: são as atividades realizadas para o desenvolvimento intelectual. São os cursos, leituras, estágios, enfim, atividades que propiciam enriquecimento com informações que contribuirão para o seu crescimento.
  3. Saúde: os hindus consideram esta esfera como a mais importante, pois sem ela o restante não flui. Deve-se avaliar como a saúde física está sendo cuidada. É preciso fazer exames periódicos de rotina e, quando necessário, submeter-se aos tratamentos propostos. Neste item existe também a preocupação com a quantidade e a qualidade dos alimentos ingeridos, e com a prática de exercícios físicos. O controle da obesidade e do sobrepeso é fundamental para a manutenção da saúde e da qualidade de vida.
  4. Vida financeira: analisar se o rendimento financeiro é suficiente para suprir as necessidades de alimentação, vestuário, saúde e lazer de forma satisfatória, ou se a vida financeira é motivo de estresse e preocupação a ponto de trazer desgaste emocional.
  5. Amigos e família: avalie os seus relacionamentos observando se é possível contar com os parentes e amigos nos bons momentos e também nas situações difíceis; se os encontros sociais são agradáveis e amistosos, sem grandes fontes de tensão; se os eventuais problemas são resolvidos com diálogo e boa vontade para “acertar as arestas”. Deve-se destacar que este item não inclui o relacionamento com o marido, esposa ou o namorado.
  6. Trabalho e carreira: verificar se a atividade profissional é interessante e traz satisfação, se o ambiente de trabalho permite crescimento, se possui desafios e oferece oportunidades de progresso na carreira.
  7. Espiritualidade: deve-se avaliar se há paz interior, coerência de valores e força interna para suportar as dificuldades sem se desequilibrar. Este item pode ou não estar ligado à religiosidade, mas se sua religião exerce influência nesses aspectos, a espiritualidade terá relação com suas crenças.
  8. Amor: considerar se o vínculo emocional estabelecido com o parceiro(a) é satisfatório. Se há respeito mútuo das diferenças e dificuldades individuais e coerência nos atos que impulsionam o casal a continuar unido; se as respostas para superar as dificuldades presentes na vida a dois reforçam os laços afetivos do casal.

Parar para refletir pode ser um bom caminho a quem procura uma alternativa para realizar as mudanças necessárias para alcançar uma vida mais feliz. No sistema hindu é desejável que se obtenha pelo menos 60% de satisfação em cada uma das esferas.

Caso o nível de satisfação esteja abaixo desse valor, é importante promover as mudanças necessárias para suprir as deficiências e atingir o equilíbrio desejado. Experimente fazer esta avaliação para identificar se alguma esfera da sua vida pode ser melhorada para tornar você uma pessoa mais feliz. Vale à pena investir nesta descoberta pessoal. Então mãos à obra!

Este texto foi retirado do site http://www.vilamulher.terra.com.br

Em breve, estarei disponibilizando o download de um arquivo para que você possa fazer uma análise de como esta a sua vida, e atraves desta análise, possa reconhecer os seus pontos fortes e fracos.